Projeto proíbe queima de fogos de artifício em carreatas, caminhadas e passeatas

 

19691472_1970715846279312_446135294_n

A deputada estadual Isaura Lemos (PCdoB) apresentou projeto de lei que proíbe a utilização de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos especificamente em carreatas, caminhadas e passeatas no Estado de Goiás.

De acordo com a propositura, o descumprimento desta lei implicará em pena de multa no valor mínimo de 1 (um) salário vigente à época do fato até 10 vezes este valor, sendo este recurso destinado às vítimas de queimaduras no Estado de Goiás.

“O índice de acidentes causados pela utilização deste tipo de material está se tornando frequentes. Segundo o Corpo de Bombeiros, os acidentes mais comuns com os fogos resultam em queimaduras e mutilações, havendo ainda riscos para audição e riscos de cegueira. Em relação a casas e florestas atingidas, a ocorrência mais comum é princípio de incêndio,” destaca a parlamentar.

No Estado de Goiás são comuns o uso destes artigos principalmente em festas juninas e eventos políticos. Recentemente no Estado, se noticiou acidente envolvendo 5 (cinco) pessoas que participavam de uma carreata no município de Sanclerlândia, após um rojão explodir na carroceria de uma camionete durante uma carreata, que fazia divulgação de uma festa junina.

Um levantamento da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) constata que os acidentes com fogos de artifício triplicam no mês de junho devido às brincadeiras com fogueiras e fogos armazenados ou manuseados de forma equivocada ou irresponsável. Além dos traumas ortopédicos, são registrados nas emergências dos hospitais, neste período do ano, aumento dos casos de queimaduras, comprometimento das córneas, perdas de visão, lesões auditivas e até mortes.

A Bahia foi o estado com o maior número de casos em quatro anos, com 296 registros, seguido por São Paulo (289 casos), Minas Gerais (165), Rio de Janeiro (97), Paraíba e Paraná (61 casos cada). A lista segue com Ceará e Goiás (com 45 casos em cada estado), Santa Catarina (44) e em décimo lugar no ranking aparece o estado do Pará com 37 casos. Foram registradas 122 mortes nas duas últimas décadas, sendo 48 no Nordeste, 41 no Sudeste, 21 no Sul e 12 vítimas no Norte e Centro-Oeste.

“Situações semelhantes são frequentes durante carreatas, caminhadas e passeatas políticas. O manuseio incorreto e o despreparo dos usuários provocam graves acidentes, na sua maioria queimaduras, pelo simples motivo de ser utilizado ao redor de um grande número de pessoas ou ser disparado de forma incorreta,” lembra Isaura.

 

Autor:
Data: julho 5th, 2017
Assunto:
Comentários e Pings estão fechados.

Comentários estão fechados.

Visite também
ÁLBUM COMPLETO >>Últimas Fotos
© 2015 Isaura Lemos - PCdoB. Todos os direitos reservados.